Como evitar glosas já no atendimento

quinta-feira, 10 de março de 2016
evitar-glosas

Quando pensamos na área administrativa de hospitais, clinicas e laboratórios, muitas vezes não imaginamos que para o sucesso do faturamento é fundamental o preenchimento correto do cadastro do paciente.

A maior parte das glosas acontecem por erros comuns na fase pré-analítica, ou seja, no agendamento e atendimento ao paciente. Atualmente, a tecnologia pode ajudar a reduzir esses erros e evitar glosas.

Adotar um sistema RIS em que o agendamento, a abertura de ficha e as regras comerciais estão integrados é uma forma de prevenir esses incidentes. Muitas instituições de saúde possuem um sistema de agendamento, um sistema de produção de exames e outro de faturamento, sem integração entre eles. Quando os sistemas trabalham de forma separada fica inviável usar as regras de faturamento para validar as informações do atendimento. Ou seja: quando chegam no faturamento algumas fichas precisam voltar às etapas anteriores para serem corrigidas, causando retrabalho, ou pior, o paciente faz um exame que não poderia ser cobrado pelo convênio.

Através da integração das regras comerciais com o agendamento e o atendimento, o cadastro do paciente é conduzido pelo software. Já no agendamento é solicitado o convênio do paciente e o sistema automaticamente faz a análise da cobertura do convênio, sugere a data mais próxima – posterior a data prevista para o convênio autorizar o exame -, auxilia na identificação do plano e evita a marcação de procedimentos repetidos sem que o prazo exigido pelo convênio tenha passado.

O RIS também conduz o preenchimento do cadastro no atendimento, com máscaras para os campos no padrão do convênio selecionado, médico solicitante como campo obrigatório, filtro dos tipos de profissionais de saúde solicitantes aceitos pelo convênio, e um check list com pré-requisitos administrativos que obrigatoriamente precisam ser assinalados, como pedido médico original, cópia da carteirinha do convênio e assinatura da guia de atendimento.

O sistema pode ser configurado para efetuar autorização eletrônica de procedimentos através do webservice do convênio ou sites de conectividade, evitando o acesso manual a tais sites, e reduzindo ao máximo a necessidade de se fazer ligações telefônicas. A guia de atendimento pode ser impressa a partir do RIS com todas as informações necessárias já preenchidas, e já com a nomenclatura TUSS do procedimento, bastando o atendente coletar a assinatura do paciente.

Com a guia, pedido médico e cópia da carteirinha digitalizados e registrados, o software rastreia os lotes até o faturamento, onde acontece o restante do processo. O sistema RIS, portanto, fornece mais segurança, confiabilidade e rastreabilidade ao seu processo de faturamento.

Deixe seu comentário